domingo, janeiro 15, 2006

Antenas

Caminhava apressado, a fumaça ficAndo para trás, perdida.
Sob a meia luz do poste parou, olhou em volta e para cima, onde incontáveis estrelas brilhosas [tantas mais que a noite anterior], piscavam sussurrando cores. Se deu conta do que acontecia:

- Ai meu deus, contaminei o céu!

E foi denovo caminhando, amarelo-sonho, esperando o que viria daqui pra frente.
Ria consigo feito um bobo, e procurava fotos de estranhos rasgadas, para sua coleção.

4 comentários:

pedro pan disse...

em a luminescência de fumaças atravessar. o ar. inda ontem. quem sabe ontem as photos rasgadas amareleciam por o céu de estrelar. por mais que se possua sorrisos de cores e sabores inenarráveis. estrelas vagam & brilham & alumiam.

|abração|

Janaína disse...

contos curtos, tenho gostado de marina colasanti. muita informação, em pouco... gostei!

Márcia(clarinha) disse...

fumaça anuvia o brilho das estrelas,abrem a mente,olhe com atenção quantas fotos pra sua coleção entre nuvens...
linda semana
beijossssssssss

Loba disse...

Fotos inteiras serviriam ao este sonhador? Quem sabe algumas vermelho-ontem... ou verde-amanhã? rs...
Eu amo seus textos e estes sonhos descontruídos!!!
Beijos muitos