quinta-feira, janeiro 12, 2006

A arte de esconder cores e adestrar asas....


Juntei as cores, uma a uma, roubadas de sonhos infantis.
Pra que os outros não teimassem em roubá-las de seu destinatário, escondi sobre uma densa camada de açúcar. Chamei de jujubas.
Pra que elas ficassem bem acomodadas, tirei um vício do bolso e pintei com cheiro de bom dia. Sentaram umas sobre as outras em uma aquarela doce.
Prometi dar um teto estrelado, pras cores não ficarem deprimidas no claustro provisório. Peguei um par de asas novinhas e fui catar estrelas. Queimei a ponta dos dedos, mas nada que um ou dois sopros sorridentes não curem.
O toque final seria uma película transparente de intenções e uma fita bonita.
Estava pronto o presente
Estava treinando uma nova mágica: fazer rodas gigantes não parecerem tão assustadoras, e devolver sonhos à alguém, pra que lembrasse como voar.
o.
....

8 comentários:

Loba disse...

Depois desde sonho, todos os "alguéns" que se esqueceram de sonhar estão de asas abertas e em pleno vôo. Tá me vendo no seu céu? rs...
Beijoconas

Valéria disse...

"o oco de fora
o fóssil futuro
o leite da pedra
a reta flexível
o buraco cheio
o fim do meio
o peso do ar
para fazer funcionar
a engrenagem de uma peça só
o aqui do corpo
o tempo todo
a meta-metade
a outra versão da verdade
o aqui do aquilo
o contra-contrário
o ímpar par
para fazer funcionar
a engrenagem de uma peça só"
Arnaldo Antunes

é de combinar o descombinado que somos que se faz da vida algo de que se possa fazer algo...penso.
um beijo

pedro pan disse...

,estou crendo que o senhor dá aula ou curso intesivo de vôos. fico feliz!!! voe tão bem. por estradas e estrelas. se o vôo parecer estranho, não deixará de fazer parte de uma biografia.

|abração amigo de infâncias|

eLa disse...

Sonhos...
Sonhos...
Q seria da vida sem eles? Eu sonhoa cordada td dia. Pergunto-me se ser Senhora do Castelo de Ilusões não é uam doença! Que nada! É uma dádiva, um presente dos Céus.
Eu vivo tão feliz...
Permita-me me iludir no meio de minha realidade! Todo dia dó, mas a dor de todo dia é tão boa...

eLa disse...

Corrigindo...

Sonho Acordada...
não é Uma doença...
todo dia dói...

minina disse...

tá...
como botei a dieta abaixo, aceito suas jujubas... rs
um xero:*

Rubo Jünger Medina disse...

Sensacional!Há um toque de surreal em cada combinação de palavras, as quais formam as cadeias que nem sempre se encadeiam. Realmente sensacional. Bem, vou parar por aqui porque quero ler novamente.
Abraços!

Rubo Jünger Medina disse...

Incrível, na segunda leitura algo me lembra a sátira de Mário de Andrade - Macunaíma, que faz exatamente esse jogo do surreal, da coisa inverossímil e inexplicável.